Até o final do ano que vem, os clientes do Itaú terão uma novidade quando estiverem sacando dinheiro ou efetuando depósitos nos terminais eletrônicos: todos os caixas do banco terão identificador biométrico para os clientes. A tecnologia fará a leitura da íris, retina ou das digitais dos usuários.

Clientes do Itaú terão retina lidas por sistema (Reprodução)

No caso das operações bancárias, além da digital do cliente, o leitor verifica o padrão da circulação sanguínea para autenticar a operação. É uma medida de segurança para evitar retiradas de dinheiro forçadas, como em casos de assaltos. Além disso, nas operações com cartão, o uso da biometria dá mais agilidade à operação no terminal. Com ela, o cartão da conta é necessário somente na identificação inicial do cliente. Depois, todas as operações são validadas apenas com a biometria – ou seja, a digital do cliente substitui a necessidade de digitar a senha.

“Com estes novos procedimentos, nossos clientes passam a acessar seus dados e informações de forma mais rápida e segura, por meio de uma das mais modernas tecnologias do gênero no mundo”, explica o diretor de produtos para Pessoa Física do Itaú Unibanco, Luiz Veloso. Vale lembrar que os saques serão limitados e o cliente só poderá usar o serviço mediante cadastro prévio.