Quase todos, pequenos e médios empresários, um dia acordaram e se deram conta que precisavam criar um site e, é claro, sempre pra ontem! Bom, você deve saber que criar um site não é a coisa mais fácil do mundo, como muita gente dá a entender. Leva tempo, não é das coisas mais baratas do mundo e você precisa se preparar bastante para que ele obtenha bons resultados.

Ok, agora você sabe que precisa de um site, mas tente responder uma pergunta: “por que você precisa?”.

Pense bem antes de responder. Fazer um site é um investimento e é, em praticamente todos os casos, imprescindível para uma empresa. No entanto, temos de saber o que queremos com ele, se vamos criar valor de marca, aumentar as suas vendas, tornar a empresa conhecida, etc. Sem este primeiro objetivo definido, o resto do projeto está comprometido.

público-alvoOutra definição que devemos fazer, tanto quando falamos de on-line quanto de off-line, é a do seu público-alvo. Ele é composto pelas pessoas com interesses e necessidades que possam vir a se interessar pelo produto ou serviço que você oferece.

Dependendo do seu negócio, pode ser muito importante identificar a faixa etária do seu cliente, o seu estado civil, seu nível de renda e diversas outras informações.

Quando falamos de web, também procuramos saber o seu comportamento, quais redes sociais ele acessa, se utiliza internet no celular, quanto tempo está conectado, etc.

Cinco dicas para definir o seu público-alvo

1. Pesquise!

É o primeiro passo! Conheça o mercado que você quer atingir. Você dedicará um bom tempo às pesquisas, mas são essas informações que vão nos guiar por onde ir. Cada detalhe é de extrema importância e, em um primeiro momento, você deverá coletar informações básicas como: idade, localização, estado civil, classe social, etc. A seguir, você deve se aprofundar: busque saber mais sobre a personalidade deles, o estilo de vida que levam, o que fazem, aonde vão e quais valores compartilham.

2. Segmente

Agora que você tem um panorama geral do seu público-alvo, o segredo é dividi-lo em grupos menores, de acordo com seus interesses e outros fatores em comum. Muitas vezes as estratégias de marketing não dão certo em grupos muito grandes, então vale mais fazer essa nova segmentação e focar nesses grupos específicos.

3. O seu gosto não é o mesmo do cliente

Lembre-se disso! Você deve se adaptar à realidade do seu público, e não o contrário. Não permita que o seu gosto pessoal interfira no trabalho da empresa. Busque sempre atender às necessidades dos outros.

Se você possui uma loja, por exemplo, tudo deve refletir a personalidade e o modo de vida dos seus clientes, desde os produtos até a decoração do espaço. Assim, você o deixará confortável e mostrará entendê-lo. Isso tem que acontecer na hora de fazer um site também, se a sua loja vende artigos esportivos e você detectou que seu público gosta muito de basquete, você deve seguir esse caminho.

4. Comunicação é fundamental

comunicação-site

Definir uma estratégia de comunicação é obrigatório para as empresas. Identifique quais são os principais canais acessados por seus clientes, desde os jornais até a internet. As redes sociais tem sido grandes aliadas dos empreendedores. Com elas, além de divulgar notícias e curiosidades sobre sua marca, você ainda poderá saber quais os comentários do público, o que está bom e o que deve ser mudado. Mas lembre-se de mantê-las atualizadas!

5. Foco no feedback

A opinião do público-alvo é tudo. Aprenda a observar e ouvir atentamente as pessoas para entender melhor o que elas esperam do serviço prestado pela sua empresa. Também é fundamental estar atento às críticas e sugestões: não há ninguém melhor para dizer o que pode ser mudado em seu produto do que um consumidor. Otimizar constantemente seu negócio é uma das melhores maneiras de agradar o seu público-alvo.

Mudando um pouco de assunto…

Falamos bastante sobre público-alvo e sua importância, mas há ainda mais coisas que um empresário deve saber sobre sites corporativos: seus tipos.

Nós selecionamos os modelos mais comuns para apresentar e explicar resumidamente as diferenças entre cada um deles. Compreender a proposta de cada site é importante para saber o que você precisa. Se a sua ideia é compartilhar muita informação, um portal ou um blog são os modelos ideias.

É pouca informação? Um modelo single page pode servir bem. Vamos a eles, então:

one-page-site

Single page ou one page

Quando um site não requer muito conteúdo, optar por esse modelo pode ser uma escolha inteligente. A premissa do modelo single page é a de que toda a informação vai estar, obviamente, em apenas uma página. Ao apertar nos botões de navegação do menu, ao invés de carregar aquela página, o site irá apenas guiar o internauta para aquela parte específica em que clicou. Para ver mais alguns exemplos clique aqui.

Portal

Esse modelo de site foi concebido para reunir o máximo de informações sobre os mais diversos assuntos, como notícia, música, educação, trabalho, cinema, etc. Eles devem possuir uma estrutura clara para permitir uma navegação simples e agradável. Um portal possui, normalmente, menus e opções muito bem detalhados. O design desse modelo de site conta com a área de destaque no topo, com os links que você julgar mais relevantes. Exemplos? Tente lembrar do G1 ou outros portais de comunicação .

Blog

Um blog é um site cuja estrutura permite a atualização rápida de artigos e posts. Eles são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, ou seja, as postagens mais recentes ficam no topo, enquanto as mais antigas ficam mais para baixo. O blog serve muito bem para estratégias de marketing de conteúdo e deve ser atualizado constantemente. Diferente do portal, o blog possui uma limitação temática de conteúdo. Exemplo de site? Bom, você está em um agora!

Landing Page

O conceito de landing page é um pouquinho diferente dos outros sites, já que é uma página de destino ou de entrada, onde o visitante chega a um site através de um banner ou links patrocinados. Esse modelo é muito utilizado para campanhas de marketing de busca e SEO e é otimizada estrategicamente para vender um produto ou serviço. Seu conteúdo é confeccionado em forma de funil, que direciona o internauta para uma outra página final, onde ele efetuará uma compra ou assinará um serviço. Para ver um bom exemplo de landing page, clique aqui.

Hot Site

Os hot sites são voltados para ações de marketing. Sua grande diferença é justamente para os outros modelos é justamente essa, já que ele é utilizado como uma estratégia de comunicação e normalmente possui um tempo de vida útil determinado. Geralmente os hot sites possuem um apelo visual maior e são focados em um público específico. Alguns ainda proporcionam ao usuário interatividade com jogos, criando uma relação maior com os usuários. Um bom exemplo de hot site é o do Hot Pocket.

Um bom exemplo de hot site é o construído para o congelado Hot Pocket

E-commerce

Os e-commerces possuem sempre navegação orientada à venda, sem efeitos visuais supérfulos, que possam atrapalhar ou distrair o cliente em seu processo de compra. Eles normalmente se diferenciam dos sites comuns por terem uma boa área de categorias, menus e destaque para produtos e promoções. Também apresentam um rodapé maior do que os outros sites para apresentar uma área de auxílio na compra (informações de compra, reembolso, envio, etc). Como se trata de uma loja virtual, elementos que passem credibilidade, como selos e depoimentos de clientes, aparecem com frequência na maioria dos e-commerces. Exemplos de e-commerce? Clique aqui e veja alguns.


Bom, se você queria fazer um site e não sabia muito bem por onde começar, agora você já tem alguma base para começar o seu projeto e fique atento que nos próximos dias vamos postar mais algumas dicas para você que está começando a fazer (ou está pensando em fazer) o site da sua empresa.