Serviços não têm a mesma abrangência que o Google, mas investem em setores específicos para ajudar usuários em suas pesquisas e decisões.

Foto: Reprodução

Google e Facebook, as duas maiores empresas da Internet, têm algo em comum: ambas se propõem a organizar informações em vez de criá-las. A gigante das buscas indexa sites, imagens, livros, produtos, e ajuda o usuário a achar o conteúdo que procura; a plataforma de Zuckerberg serve para transportar a rede afetiva do internauta para o universo digital, tentando ordená-la.

Ainda assim, por conta da dimensão de ambos os portais, nem sempre eles são os meios mais práticos para encontrar um dado específico. Veja o caso do Buscapé, por exemplo. Ele apareceu depois do Google e, mesmo assim cresceu, pois, por mais que o mecanismo de busca dispusesse das mesmas informações – produtos e preços – não as exibia de forma tão prática.

E na hora de encontrar a melhor passagem para a sua viagem? As redes sociais podem ser ótimas para decidir entre a compra de um ou outro produto, mas quando as variáveis aumentam, costumam ser uma fonte de referências imprecisas. As vezes, o internauta quer o preto no branco em vez de uma profusão de opiniões pessoais a respeito de um tema.

Por isso, portais de busca segmentada têm aumentado sua presença no Brasil. De aspirações mais modestas – não querem organizar toda a Internet – eles escolhem um determinado setor de consumo e tentam auxiliar o usuário em sua decisão, exibindo em uma única interface os dados que ele precisa para tomá-la. A seguir, confira os serviços com tal proposta que selecionamos.

Viagens
Os sites de viagens são uma ótima opção para planejar a excursão. A começar justamente pelas passagens: em vez de visitar as páginas de dezenas de companhias aéreas, é possível preencher o formulário com origem e destino, e data desejada, e deixar o trabalho para eles, que apresentarão todas as alternativas encontradas.

Nos nossos testes com Decolar.comSubmarino Viagens e Mundi, os valores cobrados pelos tíquetes foram muitos parecidos, tanto para destinos nacionais, como Rio de Janeiro quanto para internacionais, como Nova York – a diferença nos preços não superou cinco reais. As duas primeiras garantem a melhor cotação e, além de pagarem a diferença caso o internauta encontre um melhor negócio, oferecem vale compras a serem gastos nos próprios sites – é importante ler os termos econdições para não ser enganado.

Os portais dispõem também de uma busca por hotéis. No Cidade Maravilhosa, o Decolar listou 54 deles, e o Arena Copacabana saia por 412 reais a diária para duas pessoas, em vez de 645 reais – o suposto preço cheio exibido pelo serviço. O Submarino mostrou 38, nenhum deles com desconto, e o Mundi, surpreendentemente, mais de 800. Este último, no entanto, simplesmente direciona o usuário para endereços de terceiros, como o do próprio hotel ou o Booking.com, ou seja, não possui um sistema de cobrança próprio.

O Mundi permite filtrar os resultados por “hotel” ou “albergue” – embora, caso você esteja atrás de uma instalação mais barata, o Hostelworld continua sendo a melhor opção – e por região. No Submarino, é possível restringir por preço e distância do centro ou do aeroporto. Nesse sentido, o Decolar.com é mais completo: além de região e preço, dispõe de uma opção que limita os estabelecimentos exibidos de acordo com os serviços disponíveis, como acesso à Internet ou piscina.

Vale lembrar, porém, que os portais citados atuam como intermediários. Por mais que possuam uma central de atendimento, não é raro que, para dúvidas específicas, o cliente tenha que contatar diretamente a empresa prestadora do serviço. Assim, é importante que, antes de concluir a transação, verifique se a companhia aérea e o hotel são confiáveis.

Carros
Escolher um carro sempre foi uma tarefa difícil e, nos últimos anos, vem se tornando ainda mais árdua. Se antes os brasileiros só tinham de optar por uma dentre as quatro maiores montadoras do País – Fiat, Volkswagen, Chevrolet e Ford – agora há muitas brigando pelo mesmo espaço.

A decisão, em geral, se dá pela comparação entre modelos semelhantes, ou que, pelo menos, estão na mesma faixa de preço. O site CompareCar foi criado no intuito de facilitar o processo. A interface é simples: o usuário seleciona os veículos que o atrai, divididos por marca ou segmento, e clica no ícone que os colocará frente a frente.

Em uma tabela, serão exibidas as características dos carros, como motor, espaço interno e itens de série, e o melhor colocado em cada critério recebe uma pequena estrela a fim de destacá-lo. É possível, também, deixar que o portal escolha qual é a melhor opção para você – ele analisará de acordo com suas prioridades (preço, conforto, consumo).

O serviço está no começo e alguns recursos fazem falta, como os valores do seguro ou as condições de financiamento, que ainda serão adicionados. O site também dá nota para os veículos de acordo com as análises feitas pela mídia especializada e dispõe de um espaço para que os próprios usuários os classifiquem, mas falha por não vincular tais recursos às comparações – estão na parte de “avaliações”.

Para ter contato com as opiniões dos próprios consumidores, o site iCarros é mais recomendado. Por existir há alguns anos, possui milhares de depoimentos e, tomando como base os conceitos enviados pelos donos, organiza os carros pelo nível de satisfação. Ele também possibilita a comparação entre veículos, mas de uma forma menos intuitiva e clara que o CompareCar. A vantagem é que, com um clique, o internauta já tem acesso a ofertas do modelo, tanto 0 km quanto seminovo.

Por fim, outra opção é o tradicional WebMotors, lançado em 1995. Embora possua páginas com embates e análises de veículos, o portal é mais conhecido por seus classificados, para a compra e venda de novos e usados.

Restaurantes
Para encomendar um prato a ser entregue em sua casa, não basta apenas escolher o restaurante, pois é preciso também saber se ele entrega em sua região. Quem já tentou encontrar essas informações em motores de busca tradicionais, sabe como pode ser frustrante ou até mesmo uma grande perda de tempo.

Serviços como RestauranteWeb e iFood existem para evitar tais transtornos. O internauta insere seu CEP no campo devido e, em seguida, visualiza todos os estabelecimentos que atendem sua área. A partir daí, é só seguir os passos para escolher a refeição e a forma de pagamento. É preciso, porém, cadastrar-se antes de confirmar a transação.

O iFood – cuja atividade se restringe ao estado de São Paulo e à cidade do Rio de Janeiro – oferece a opção de monitorar o pedido, a fim de que o cliente tenha a certeza de que sua solicitação foi recebida pelo estabelecimento. O RestauranteWeb, por outro lado, exibe a classificação dos próprios usuários quanto ao prazo de entrega e a qualidade da comida do local.

De negativo, nenhum dos dois sites possui telefone para contato: iFood dispõe de chat e com o RestauranteWeb, só por e-mail.

Fonte: IDG Now!