Chamada de GoMo, nova iniciativa da gigante de buscas fornece análises e imagens gratuitas para companhias em busca do site mobile perfeito.

 

Site faz teste para verificar se seu mobile site está correto

A Google está lançando uma iniciativa chamada GoMo que busca ajudar empresas a construir sites para a era móvel.

O recurso principal do GoMo é o chamado GoMoMeter (algo como Medidor GoMo), que permite aos usuários digitarem o endereço do seu site e receber uma análise gratuita sobre o que é preciso ajustar ou não para o formato mobile na web. Entre outras coisas, o GoMoMeter deixa os usuários saberem o tempo de carregamento das suas páginas, se as imagens estão carregando corretamente, se os textos podem ser lidos sem necessidade de pinça e zoom e se os seus links e botões podem ser facilmente acessados pelos dedos dos usuários. Ele também dá uma imagem visual de como os usuários mobile atualmente visualizam o site.

É preciso notar que, ao menos inicialmente, esse recurso foi extremamente lento, já que demorou mais de 40 minutos para carregar o site da BBC News no GoMoMeter. Mas enquanto você está esperando o site carregar, será levado para “factóides” móveis como “Mais crianças agora sabem como usar um smartphone do que amarrar seus sapatos” e “Mais americanos têm um telefone celular do que um passaporte”.

Uma vez que você tiver vistos todas as minúcias do seu site, o Google te apresenta uma lista de empresas especialistas no desenvolvimento de sites mobile, incluindo nomes como Netbiscuits, Mobify, Unbound Commerce e, sim, o Google Site Builder. O GoMo também te permite filtrar várias opções como quanto você está disposto a gastar para manter seu site móvel, quanto tempo pode esperar ele ser construído e se prefere fazer isso sozinho ou ter uma outra companhia fazendo isso por você.

O tráfego de dados móveis tem aumentado em um ritmo rápido nos últimos anos por causa do crescimento dos mercados de smartphones e tablets. Um estudo lançado pela Cisco há alguns meses mostrou que o tráfego de dados mobile cresceu 159% no mundo em 2010, ou cerca de 4,2 vezes mais do que o crescimento dos chamados dados fixos no mesmo período.

Fonte: IDG Now!