Plot Twist: se você é advogado, o Marketing de Conteúdo é a estratégia perfeita para você, sim!

Marketing de Conteúdo

A publicidade profissional sempre foi um tabu para os advogados, pois muitos acreditam ser terminantemente proibido, sob qualquer formato. A verdade é que há normas estipuladas pela OAB que afirmam que seu formato deve ser comedido, visando informar e sempre observando as regras da discrição e sobriedade.

A publicidade é regulada pelo Estatuto da Advocacia e da OAB (lei 8.906/94), pelo Código de Ética e Disciplina vigente (arts. 28 e seguintes) e pelo provimento 94/2000, do Conselho Federal. Neste, é possível ler o seguinte:

Provimento 94/2000 – “Dispõe sobre a publicidade, a propaganda e a informação da advocacia.” Art. 1º. É permitida a publicidade informativa do advogado e da sociedade de advogados, contanto que se limite a levar ao conhecimento do público em geral, ou da clientela, em particular, dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia que se propõe a prestar, observadas as normas do Código de Ética e Disciplina e as deste Provimento.

Em suma, a publicidade do escritório de advocacia deve manter sempre o objetivo de informar e educar. Não deve promover – sob qualquer circunstância – a captação de clientela ou a mercantilização da profissão. Em ações publicitárias, ele deve observar o caráter informativo da publicidade, além das já comentadas discrição e sobriedade.

 

Por que o Marketing de Conteúdo é perfeito para advogados?

Você pode ter perdido esse detalhe. Mas o Código de Ética e Conduta reforça as vantagens da estratégia do Marketing de Conteúdo. Isso porque o principal objetivo do Marketing de Conteúdo é construir e nutrir um relacionamento com o público por meio do ato de informar e, a partir disso, prestar serviço.

Trata-se, portanto, de posicionamento de marca, relacionamento com as audiências e serviço de utilidade pública, já que a venda não é seu único objetivo: ele também busca informar através da distribuição de conteúdo gratuito.   

Este trabalho dá resultados concretos justamente aumentando as oportunidades reais de negócio e tornando sua marca mais conhecida, pelo simples fato de haver uma distribuição estratégica do conteúdo produzido, a qual chamamos de funil de vendas.


Você também pode se interessar por estes posts:

Estudos neurológicos aplicados ao consumo

Design e Marketing Digital: 3 motivos para essa dupla nunca se separar

Marketing digital de resultados: as oportunidades que você pode estar perdendo


Funil de vendas em quatro etapas

1 – o cliente está aprendendo sobre a sua necessidade;

2 – o cliente está reconhecendo que tem uma demanda;

3 – o cliente está considerando comprar aquele produto ou contratar o serviço;

4 – o cliente já decidiu comprar/contratar e está com objeções residuais como “qual marca devo comprar” ou “não sei por qual serviço optar”.

Ao longo de todas estas etapas, vamos nutrindo este relacionamento com o cliente em potencial, monitorando conforme ele avança pela jornada de compra e adaptando a linguagem e a abordagem, sempre de acordo com as necessidades dele. Mas sem invadir seu espaço: ele é quem conduz o mecanismo, conforme sente-se preparado para a compra.

 

O Marketing de Conteúdo não é uma mera desculpa para vender sua marca jurídica e não deve ser visto desta forma. Seus resultados serão obtidos a partir da relação de confiança que seu público da internet vai estabelecer com a sua marca. O foco é produzir conteúdo que seja útil.

Além de concordar com as diretrizes do Código de Ética e Conduta, também apresenta baixo custo e facilidade de acesso. Se você ainda estava em dúvida, saiba que esta é uma excelente alternativa para advogados e profissionais liberais em geral. Advogados podem contar com estratégia de marketing, sim!