Nos últimos 7 anos muita coisa mudou em termos de acesso à Internet no Brasil. Segundo dados divulgados dia 16/5 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o ano de 2011, quase metade da população brasileira com 10 anos ou mais de idade (46,5%) acessava a Internet. O índice é mais do que o dobro do percentual registrado em 2005, quando aproximadamente 21% da população havia acessado a rede mundial de computadores nos últimos três meses.

 

acesso a internet-brasil-ibge

 

O estudo faz parte do levantamento Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal, feito com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2011. Para o coordenador da pesquisa, Cimar Azeredo, a diminuição das desigualdades é a principal contribuição para o aumento expressivo da inclusão digital no país. Azeredo ressaltou que a redução da pobreza, o aumento da qualidade do emprego, do poder de compra gera um conjunto de fatores socioeconômicos que propicia a essa população um maior acesso à Internet. Destaque também para o aumento da escolaridade, que foi decisivo para o crescimento do número de internautas.

Norte e Nordeste tiveram os aumentos mais significativos no número de pessoas navegando na internet, embora ainda sejam as regiões com os menores índices de acesso do país. Em entrevista para Info Abril, Azeredo destacou que “As regiões Norte e Nordeste tinham pouco mais de um terço da população acessando a internet em 2011, mas o avanço nessas regiões foi bastante expressivo. Alagoas, por exemplo, passa de 7% para quase um terço [34,3%] da população acessando a internet, 400,3% de aumento”, comentou ele, lembrando que, em 2005, Alagoas era a cidade com o menor percentual. Nas regiões Norte e Nordeste, de 2005 para 2011, o percentual triplicou, enquanto nas demais regiões o índice, em média, dobrou.

Entre os estados com mais acesso estão Distrito Federal (71,1%), São Paulo (59,5%) e Rio de Janeiro (54,5%). Já os menores percentuais de população com acesso aparecem no Maranhão (24,1%), Piauí (24,2%) e Pará (30,7%).