O Brasil é um dos países que mais fortalece sua economia no mundo, e essa acensão se reflete no mercado de e-commerces. Segundo o e-bit, 10 milhões de brasileiros fizeram suas primeiras compras via internet no ano de 2012 e, em 2014 (ano de copa), já seremos 50 milhões “adicionando produtos ao carrinho de compra”.

Por que investir em e-commerce

Por que investir em e-commerce?

Esses dados estão sendo divulgados diariamente, o que incentiva empreendimentos de todos os setores. Eletrônicos, tapetes, colares, canecas, chinelos, cadeiras, almofadas e até cuecas, centenas de nichos estão recebendo e-commerces de alta, média e baixa qualidade.

Então, se o mercado já possui tantas lojas virtuais, haveria espaço para mais alguma? Sim, claro que sim.

A ideia de que tudo que poderia ser inventado já foi feito é apenas uma ideia e nada mais. As demandas ainda estão muito latentes, novos nichos poderão ser explorados e milhões de brasileiros ainda são novatos nas compras online. Além disso, milhares de lojistas não tiveram a oportunidade de vender pela internet, talvez por não ter acesso a uma plataforma de e-commerce ou por inexperiência de entrar nesse ramo.

Para esses empresários, afirmamos que o mercado de e-commerce é mais fácil de prever seu comportamento do que o “mercado físico”. Nos e-commerces, as métricas de acessos, o marketing enxuto (e-mail marketing, compras coletivas e redes sociais) e o baixo custo de manutenção (se comparado a um ponto comercial) trazem a oportunidade de arriscar e acertar mais vezes em um curto espaço de tempo.

Portanto, como já avisamos em um post anterior, a hora de investir em e-commerce (principalmente no mobile) é agora.