Não há uma pessoa sequer no mundo que não tenha sofrido com a falta de inspiração. Nem precisa fazer uma pesquisa para comprovar isso. O bloqueio criativo está aí apenas para nos ferrar. Não importa se você é apenas um garoto escrevendo a redação do vestibular ou um Diretor de Arte foda fazendo um anúncio.


Você também pode se interessar por estes posts:

7 tendências para web design em 2015 
Você sabe o que é efeito parallax?
– Planejamento estratégico para o seu site


Porém, o bloqueio criativo pode ser mais perigoso para quem tem a criatividade como o seu ganha-pão. Como ninguém quer perder o emprego, é sempre bom estar preparado para enfrentar e superar a síndrome da folha em branco de uma forma digna. Por isso, nada melhor que conferir algumas dicas para não perder muito tempo sofrendo na frente do computador.

Saiba como evitar um bloqueio criativo!

Tá complicada a vida? Então confira as dicas e saia do seu bloqueio criativo.

Saiba como superar o seu bloqueio criativo:

Os três exercícios para superar o bloqueio criativo são dicas da head de estratégia da Adobe Carmel Hagen, publicadas no blog 99u.com, então pode confiar!

Os 5 porquês

Problema: Não estou motivado

Pensamento de partida: Às vezes a nossa falta de motivação é apenas o efeito colateral de uma noite mal dormida ou de uma má alimentação. Por outro lado, também pode ser motivada por algo um pouco mais complexo, como uma falha no projeto que acaba corroendo o nosso subconsciente.

Usando os 5 porquês (técnica desenvolvida por Sakichi Toyoda, fundador da Toyota) você desvenda rapidamente a origem de um problema, desde que ele esteja na sua alçada, claro.

Exemplo: Comece identificando o seu problema (no caso, “não estou motivado”) e pergunte-se “Por quê?” cinco vezes, usando cada resposta como o gatilho para a próxima. A gente explica melhor:

Eu não tô me sentindo motivado!

Por quê? Porque eu tô sem inspiração.
Por quê? Porque eu não estou convencido de que estamos no caminho certo.
Por quê? Porque eu estou com a impressão de que têm muitos furos na nossa estratégia.
Por quê? Porque os relatórios que vimos hoje parecem sugerir que o nosso target é diferente do que pensávamos.
Por quê? Porque o tamanho da amostra foi pequeno demais.

Resposta: Preciso falar com meu chefe para

O Parâmetro de habilidade/desafio

Problema: Não consigo encontrar meu ritmo.

Pensamento de partida: O seu ritmo, ou fluxo de trabalho, é o que há de mais importante para qualquer sessão de trabalho. É quando você está pilhado e totalmente focado no seu trabalho. Especialistas dizem que o que define esse ritmo é a soma de foco, envolvimento e prazer.

No entanto,  o Diretor de Inovação da SCA Bengt Järrehult sugere que, com o uso de apenas dois parâmetros, podemos descobrir o que está nos afastando do nosso fluxo de trabalho. Sabendo disso, podemos encontrar o nosso caminho de volta.

Exemplo: Imagine um eixo XY (tipo os que a gente via no colégio). Uma linha é o desafio e a outra é habilidade. Para qualquer projeto, desafio é igual a dificuldade da tarefa, enquanto habilidade é igual a capacidade que você possui. Dentro desse gráfico existem três áreas: estresse, tédio e flow.

Supere o seu bloqueio criativo

Para você ficar no flow, a sua tarefa não pode ser difícil a ponto de levar você para a zona de estresse, nem fácil a ponto de levar você para a zona de tédio. Se cair na zona de estresse, peça conselhos e procure ajude para executar o job. Se cair na zona de tédio, aproveite para testar uma ferramenta ou experimentar uma técnica nova.

Usos alternativos

Problema: Minhas ideias parecem iguais.

Pensamento de partida: Nosso cérebro está programado para nos proteger do risco e favorecer coisas que funcionaram no passado. Por isso que muitas vezes as nossas ideias são tão parecidas umas com as outras. É como ver o mesmo filme mais de uma vez ao invés de procurar um novo.

A técnica de usos alternativos nos ajuda a quebrar esse padrão. A ideia é pensar em novas aplicações para coisas tradicionais. Assim, pegamos um elemento de uma ideia antiga, que precisamos renovar, e forçamos novas formas de interpretá-la. Isolar apenas um elemento do todo libera o nosso cérebro a ser mais aventureiro.

Exemplo: Amanda é uma chef que precisa fazer um biscoito de chocolate que se destaque de todos os outros, mas está em um bloqueio criativo daqueles para inventar a receita, quando resolve testar a técnica de usos alternativos. Ela decide isolar o elemento “chocolate” para o seu brainstorm e começa a pensar em todas as formas possíveis de utilizá-lo:

– Derreta o chocolate e dobre-o na massa do biscoite para dar um efeito de mármore;
– Aqueça o chocolate e mergulho os biscoitos prontos nele;
– Coloque uma barra inteira de chocolate por biscoito;
– Faça desenhos de chocolate nos biscoitos;
– Pique o chocolate mais grosso, mais fino, em diferentes formatos, etc.

Teve gente que botou até pimenta no chocolate, afinal de contas!


E então, conseguiu sair do seu bloqueio criativo? Bom, se ainda não conseguiu, outra boa dica é curtir a nossa fan page, ler mais alguns dos nossos posts, procurar mais referências e inspirações!